terça-feira, 14 de setembro de 2010

Obrigada da Palestina...

A Micaela vive na Palestina. Em Fevereiro entra em contacto com a Associação para fazer connosco a preparação para o parto. Foram seis semanas de preparação para uma experiência única e indescritível, como ela nos relata da Palestina...


"Olá a todos,
Peço desculpa pela demora mas como sabem, a vida de mãe é uma vida bastante ocupada!

Queria agradecer-vos por todo o apoio que deram e por terem facilitado o meu ingresso no curso de preparação para o parto tão cedo.
A verdade é que aprendi muita coisa com o curso, estava na altura um pouco preocupada em como iria ser dar á luz na Palestina e as vossas sessões ajudaram-me a preparar melhor...

Como participei no curso muito cedo (comecei as 20 semanas), pude praticar todos os exercícios de relaxamento, kegels e tudo mais, para além de estar melhor preparada para alguns incomodos do 3º trimestre.
Aconselho realmente a quem puder a fazer esta preparação um pouco mais cedo (talvez no tão cedo quanto eu porque também podem ficar mais ansiosos...)!

Pois é, na noite de 1 para 2 de Julho nasceu a Mina!

Três dias antes notei uma pequena hemorragia, a médica disse-me na altura que era normal, que so significava que a dilatação tinha começado e que o parto seria para breve. Claro que "para breve" podia significar no dia seguinte ou daí a uma semana... na altura eu ainda estava a trabalhar porque era a melhor maneira que arranjei de me manter ocupada e para poder ter uma licença de parto mais longa quando a Mina já tivesse nascido, portanto, continuei a fazer a minha vida normal, com contracções mas, como tinha aprendido no curso: indolores e irregulares era só ensaio.

Passados três dias comecei a ficar preocupada poque a hemorragia continuava, em muito pequenas quantidades mas continuava, liguei á médica que me disse para ir ao hospital monitorizar o bébé para ver se estava tudo bem e eu ficar mais descansada.
No hospital, quando estava deitada a ouvir o coração da Mina foi quando senti a primeira contracção a sério e soube logo distinguir. A enfermeira disse-me que se fossem regulares e que se eu quisesse podiam administrar Pitocina. Eu percebi logo que era um primo qualquer da Oxitocina que tanto falavam no curso e que o que ela queria dizer e que se eu quisesse podiam provocar o parto, e é claro, recusei, não tinha razão nenhuma para acelerar um procedimento natural, e pedi para ir ao consultório da minha médica que ficava a uns 200 metros do hospital.

Assim fiz, e a médica disse-me que fiz bem em recusar e que o nascimento provavelmente seria daí a três dias. Ainda tentei convencê-la que nos veríamos nessa noite porque estava a sentir contracções regulares, mas como tinham começado quando estava a monitorá-las eram ainda muito espaçadas e a médica achou que ainda não eram significativas.
Fui então para casa porque achei que devia descansar o mais que pudesse porque estava com a sensação que ía ter uma longa noite.

Em casa comecei a contar o tempo entre contracções, tal como nos tinham ensinado e, durante todo o dia o tempo foi de 10 minutos. Por esta altura já estava a ficar confusa porque achava que as contracções ainda não eram fortes e, no entanto eram já de 10 em 10 minutos. Estive o dia todo a fazer a "cheirar a flor- soprar a vela", calma, em casa, entretida. Decidi dormir, e quando o meu marido chegou preparamos o jantar. Quando nos sentamos para jantar já não consegui comer porque as contracções ja estavam bem fortes. Decidi então voltar a contá-las, e qual não foi a minha surpresa, eram já de 3 em 3 minutos. Ficamos ali ainda a discutir se haviamos de ir ao hospital (que era a 5 minutos de casa e por isso estavamos tão relaxados) e, após uma contracção bem forte fiquei convencida.

Chamamos um táxi que demorou mais do que o normal. Durante a viagem que era de 5 minutos mandei parar o táxi a meio do caminho para ter uma contracção e tive outra á entrada do hospital. Lá consegui a muito custo ir até á sala onde tinha estado de manhã, onde me voltaram a monitorar. Viram a minha dilatação e, adivinhem: 9 cm!

Mandei chamar a minha médica e a partir dai tudo se desenrolou muito depressa, rebentaram-me as águas, comecei a sentir vontade de puxar e comecei a fazer as respirações de "soprar 30 velas" para ver se fazia tempo para a médica chegar mas a enfermeira disse-me para puxar que ela podia muito bem ajudar-me sozinha e então comecei a puxar, aproveitando sempre para relaxar o mais possível entre contracções. (Acho que fui mesmo boa aluna do curso, porque me lembro de a enfermeira me dizer na altura: "puxe! porque é que não está a puxar?" e eu responder-lhe: "não estou a ter nenhuma contracção! não é para puxar só nas contacções?" e ela: "ah, tem razão!")

A médica chegou passados 5 minutos, e foi o tempo de ela vestir a bata e as luvas, pôr-se em posição e... a cabeça da Mina já estava cá fora e só precisei de puxar mais uma vez para a Mina fazer a sua chegada triunfal a este mundo que estreou de imediato com um berro de saúde! Antes de qualquer banho ou injecção, ela foi colocada no meu estômago, a meu pedido, e deixamos que ela encontrasse por si própria o peito (o que fez rápida e ávidamente) e começasse a mamar.

Entrámos no Hospital ás 11h30 e á 12h15 a Mina estava cá fora com 50 cm e 3,080 kg, sem qualquer tipo de medicação ou episiotomia.

A Mina é um bébé muito calmo e carismático, vai mamar exclusivamente até aos 6 meses (nunca tivemos problemas com a amamentção e mil obrigadas por incentivarem tanto, sempre me senti confiante, mesmo sabendo que poderia vir a ter problemas porque sabia de muitas histórias de outras mães no curso inclusivé as instrutoras) e tem agora já quase 2 meses!

Tem sido uma experiência inigualável desde a chegada da nossa filha, assistir e ajudar no primeiro banho, a primeira mamada, o primeiro olhar, o primeiro sorriso...
Sei qu
e tive muita sorte em ter um parto excelente e rápido e uma super-recuperação mas também sei que tudo isto e devido á minha boa preparação e preocupação em informar-me o mais possível - e valeu mesmo a pena ter participado no curso de preparação para o parto da Associação que tornou possível este Milagre nas nossas Vidas. Obrigada a todas e espero que continuem o bom trabalho! "

6 comentários:

Patrícia Soares disse...

Parabéns a esta mamã! O seu testemunho é muito importante, pois só revela que as mulheres ainda têm capacidades para "parir" naturalmente. O importante é a nossa confiança e segurança. Sem estes elementos podemos perder toda a essência de ser mães, quer no parto, quer na amamentação, quer na nossa vida futura. Um conselho às grávidas: informem-se bastante, confiem no vosso corpo pois ele sabe os passos a seguir e vivam naturalmente o dia-a-dia(sei que é difícil, mas é essencial dar tempo ao tempo).
Beijinhos para todas

Sónia Soares disse...

Olá Micaela! Foi com muita alegria e satisfação que li o seu testemunho! Ele resume tudo o que nós queremos transmitir na preparação para o parto. As grávidas que estão neste momento a fazer a preparação para o parto na Associação desejam repetir a sua experiência! Portanto, parabéns aos três! Beijinhos para a Palestina...

Sónia Soares

DIANA ENF. disse...

Deixo aqui o meu apreço e os parabéns a esta mamã guerreira, que soube compreender tudo o que lhe fui transmitido e aplicou na prática da melhor forma possível... Parabéns a esta família!! Beijinhos internacionais

Anónimo disse...

Parabéns!Uma experiencia maravilhosa. Que bom seria se todas as mulheres tivessem uma horinha como a sua.

fénix renascida disse...

O põs-te na posição é que me causa confusão... Não terias vontade de te pôr noutra? Isto é só uma pergunta...

De resto, tenho de te felicitar pelo maravilhoso parto que tiveste, uma sorte que não cabe a muitas de nós, pois habitualmente quem manda no nosso parto são os outros, não nós.

Leiam, e digam-me o que pensam:
http://www.peticaopublica.com/?pi=P2010N3114

maria disse...

Obrigada amiga por partilhar connosco a sua experiencia de trabalho de parto e parto. Não há duvida que estava muito segura e bem preparada para parir, embora seja sempre uma experiencia nova, conseguiu manter a calma e uma coisa muito importante o apoio do pai do seu filho. Foi lindo, fiquei emocionada com a sua história, espero que a minha seja parecida.
Parabéns e obrigada