quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

O QUE É O PLANO DE PARTO?

O plano de parto ou plano de nascimento é um documento escrito pela grávida, onde expressa os seus desejos e expectativas relativas ao parto e nascimento do seu bebé.

Deve pedir à enfermeira obstetra (parteira) que acompanha a sua gravidez para a ajudar a realizar o seu plano de parto. Este documento será um guia para os profissionais que a assistem no seu parto. É aconselhado que o realize entre as 28 e as 32 semanas de gravidez. Deve também programar uma visita ao local onde pretende ter o seu bebé, de modo a conhecer as opções que terá ao seu dispor e tomar uma decisão com base no conhecimento.

No decorrer da gravidez, deve ir então planeando com a sua parteira, o seu parto: o lugar, que intervenções deseja ou não que sejam praticadas, por quem deseja ser acompanhada e os cuidados ao bebé. No entanto, não se esqueça que não deve ficar obcecada com um parto perfeito! O seu plano de parto poderá necessitar de ser adaptado à situação clínica / evolução do parto, pelo que podem ocorrer alterações ao seu plano, que deve encarar com naturalidade! No plano de parto devem estar definidas as suas preferências relativas a:

Espaço físico: que tipo de sala gostaria de encontrar.

Acompanhantes e ambiente durante o parto: quem gostaria que a acompanhasse; se gostaria de ter música; vestir a sua roupa pessoal, …

Procedimentos durante o parto: se deseja que lhe façam a tricotomia (corte dos pêlos púbicos); se quer ou não que lhe sejam colocados soros; se pretende ou não clisteres de limpeza intestinal, …

Tipo de avaliação do bem-estar do feto: se pretende estar sempre com os traçados, ou de forma intermitente, …

Métodos para alívio da dor: analgesia epidural, técnicas de respiração, massagens, alternar de posições, …

Mobilidade e posturas durante a dilatação: se pretende caminhar; utilizar a bola de parto, …

Posturas e puxos durante o período expulsivo: qual a posição que gostaria de ter o seu bebé; só puxar quando tiver vontade, …

Episiotomia: se quer que lhe façam ou não.

Nascimento do bebé: se quer ter imediatamente contacto pele com pele; se pretende cortar o cordão quando deixar de pulsar, …

Aleitamento materno: se pretende amamentar; se quer ou não que sejam dados suplementos (biberão) ao seu bebé, …

Para esclarecimentos adicionais informe-se com as enfermeiras obstetras que lhe fazem a sua preparação para o parto! Peça-lhes orientação para realizar o seu plano de nascimento!

Sónia Soares
________________________________________________________________
Bibliografia
Iniciativa Parto Normal. Documento de consenso. Federación de Asociaciones de matronas de España. Associação Portuguesa dos enfermeiros obstetras. Lusociência. 2009: p. 25-30.

4 comentários:

Anónimo disse...

Segundo sei, nas maternidades publicas não é possivel apresentar o nosso plano de parto...
lá temos que fazer o que nos mandam...ou não?

Patrícia Soares disse...

Este é um assunto um pouco polémico. Contudo a grávida/ casal deve conversar com o seu médico e enfermeiro de família acerca deste plano. Assim que forem encaminhados para a maternidade de referência devem apresentá-lo e discutir as diferentes possibilidades com a equipa. Os hospitais públicos têm algumas rotinas, no entanto elas só irão ser mudadas se cada um de nós for exigindo cada vez mais...

Anónimo disse...

Olá!
Acha o artigo muito bom, pois é muito importante que o parto, apesar de poder sempre haver surpresas, (mas a vida é uma constante surpresa)seja devidamente planeado, mas clara que o casal precisa estar muito bem informada, questionar muito os profissionais de saude que com ele seguem a sua gravidez.
Quer na assistencia publica ou privada temos o direito á infornação e de perguntar porquê?
e não aceitar como resposta«porque eu sou médico eu é que sei» certo sabe mas vai ter de explicar-me porquê!
Claro que para questionar também de me preparar, conhecer o meu corpo e conhecer os meus direitos.
Será que penso bem Associação? ou estou muito confusa?

Lurdes

Sónia Soares disse...

Olá Lurdes!

Tem razão! Perguntar é um direito, responder é um dever, e informar-se é um direito e um dever! Portanto, é importante estar informada para que durante o parto possa dar a sua melhor colaboração.

Obrigada pela participação...

Sónia Soares, Associação Milagre de Vida